Geografia da População: Migrações Internacionais

 A mobilidade humana pelo espaço geográfico denominamos de migrações internas dentro de um mesmo país, e externa/internacional quando ocorre entre países. Emigrante é aquele que sai e imigrante aquele que chega. As migrações internacionais são uma das mais fortes características do mundo contemporâneo. As pessoas migram em busca de novas perspectivas motivadas por fatores de ordem natural, ambiental, política, social ou econômica. Segundo o  Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNDU/2009) existem mais de um bilhão de migrantes no mundo, seja dentro ou fora de seus países.
Desde a última década do século XX aumentou muito o número de países e regiões emigratórias. Sul e Sudeste asiático (China e Filipinas...); América Latina ( México, Cuba e Haiti....); África Setentrional ( Marrocos...); Oriente Médio ( Turquia, Síria, Iraque...); África subsariana como um todo e o leste europeu. 
Entre os países com grande número de imigrantes destacam-se Estados Unidos, Rússia, Alemanha, França, Reino Unido, Austrália e Japão, países de atração migratória pelo seu nível de desenvolvimento. Diante de um mundo desigual, as vezes, a melhor ou a única opção de um migrante alcançar uma melhor condição de vida ou sobreviver é saindo de sua terra natal. As migrações internacionais contemporâneas estão ligadas a questões econômicas(pobreza) e políticas( guerras). Surgem novos países de atração como China, Brasil e Rússia.Os imigrantes tem papel importante na economia pois parte dos recursos obtidos nos países em que são recebidos retornam aos seus países de origem  através de remessas que superaram a 250 milhões de dólares em 2007. Outro problema tem sido a Xenofobia que prolifera na Europa e nos Estados Unidos com o crescimento de discursos e os partidos anti migração que chegam ao poder. Na mesma medida que aumenta as restrições a imigração, explodem  a imigração clandestina e as redes criminosas de tráfico internacional de pessoas que extorquem pobres e desesperados da América latina, África e Ásia.








Comentários