Relações Internacionais: Merkel e Sarkozy defendem nova arquitetura do sistema financeiro mundial



O presidente da França, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, afirmaram que a criação de uma "nova arquitetura" do sistema financeiro mundial é um objetivo "não negociável" da cúpula do G20 (grupo que reúne os países mais ricos e os principais emergentes), que começa nesta quinta-feira (2) em Londres.
Em entrevista coletiva conjunta, ambos afirmaram que o mundo precisa de regulação para superar a crise. "Estamos em uma forte crise. As pessoas estão sofrendo, e aqueles que são mais afetados não têm nada a ver com a origem dessa crise", disse Sarkozy.
O Presidente da França e chanceler alemã defendem regulação dos mercados mundiais
"Não estamos aqui para negociar. Nós buscamos regulação, e todos aqueles que não entenderem isso estarão indo em direção a uma nova crise", ressaltou Merkel.
Os dois criticaram a realização de encontros cujos resultados se limitam a palavras. Para eles, não fazem falta as cúpulas das quais saiam apenas declarações e o importante para o encontro do G20 é "que a nova arquitetura dos mercados financeiros mundiais deve figurar claramente no comunicado final".
"Queremos resultados que transformem o mundo" porque o que ocorreu agora "não pode voltar a se repetir", declarou a chanceler alemã. "Sem uma nova regulação não haverá confiança e sem confiança não haverá relançamento econômico", completou o francês.
O presidente francês destacou, além disso, em clara alusão a Washington, que "não queremos responsabilizar ninguém, mas achamos que há agora uma oportunidade histórica para construir um mundo novo". Em Londres "é preciso firmar as bases da regulação [financeira] do século 21", disse o francês.

"Paraísos fiscais"

Na coletiva, Merkel e Sarkozy afirmaram que vão exigir a divulgação de uma lista de paraísos fiscais. Segundo Merkel, "tem que haver uma lista dos [paraísos fiscais] que se neguem a ser controlados", disse a chefe do governo alemão, enquanto o presidente francês afirmou que se oferece agora "uma oportunidade histórica para moralizar um sistema que ficou imoral".
"O G20 deve dizer se está a favor do fim dos paraísos fiscais ou de sua continuação", disse Sarkozy, acrescentando que França e Alemanha estão dispostos a discutir apenas se a lista será publicada imediatamente ou daqui a poucos dias.

Comentários